Notícias de Guaratiba

Uso disseminado da Internet ajuda eleitor a escolher candidato

Publicado em 03.05.2010

Alguns políticos e servidores públicos, já com os bolsos cheios de dinheiro, desviados das contas públicas, permanecem como vermes nos intestinos da nação sugando até a última gota, desviando fortunas dos cofres públicos, não tendo escrúpulos de roubar verbas destinadas às crianças, velhos e doentes, numa ambição que chega as raias da loucura.

P´ra que tanto dinheiro, por que entesourar milhões de reais a custa dos menos favorecidos, deixando de promover o bem estar do povo que o elegeu. Será que acham que caixão tem gaveta? Nada levarão deste mundo, porque então essa ganância de roubar uma dinheirama que só poderia gastar se jogasse dinheiro pela janela, trocasse de carro todo mês ou resolvesse doar seu patrimônio para a família a cada década para expurgar tais quantias.

Mas parece que a coisa está mudando com o uso disseminado da internet entre os eleitores. O eleitor vai ter diversas ferramentas eletrônicas para ajudar na escolha dos candidatos este ano. Além de ações do governo para monitorar os políticos, entidades que lutam pela transparência nos cargos públicos também vão disponibilizar informações para auxiliar os eleitores. Vejam esse exemplo: é só digitar o nomezinho do candidato aqui nesta busca que aparece toda a ficha do político. Veja toda a ficha do candidato só vota errado quem quer....

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e a Polícia Federal vão anunciar neste mês um plano inédito para combater doações ilegais nas eleições. O projeto é acompanhar, em tempo real, as contas de campanha de candidatos e partidos. A força-tarefa da PF e do TSE contará ainda com o apoio do Tribunal de Contas da União (TCU).

A ferramenta mais importante já foi disponibilizada pelo ministério da Justiça. O LAB-LD, como é conhecido o Laboratório de Tecnologia contra Lavagem de Dinheiro, é um conjunto de softwares e hardwares que permite o cruzamento infinito de dados. Com este sistema, a polícia conseguiu rastrear suspeitas contra o crime organizado.

Nas eleições, será possível mapear, por amostragem ou em casos específicos, as contas de candidatos e partidos e acompanhar manifestações atípicas. Desta forma, o TSE visa reduzir brechas para atos ilícitos que, até agora, eram analisados somente após o pleito.

Certas organizações não-governamentais (ONGs) também investem na transparência de informações sobre os candidatos. Para Claudio Weber Abramo, presidente do Transparência Brasil, estes serviços preparam o eleitor para escolher ou descartar pretendentes aos cargos públicos. "O eleitor votará melhor quanto mais tiver informação sobre os candidatos. Os sites de fiscalização jogam luz sobre os políticos e ajudam a formar a opinião dos cidadãos que participarão da eleição", disse.

Transparência Brasil