Notícias de Guaratiba

Adolescentes devem estar atentas com relação a AIDS

Publicado em 12.04.2010

Imaginem uma jovem na tenra idade, talvez entre 14 e 20 anos de idade em plena juventude receber a notícia que tem AIDS, ainda hoje uma doença incurável, que mesmo tratada com um coquetel de medicamentos ainda mata.

Mas foi exatamente isso que aconteceu com 323 meninas em 2008 e 136 em 2009. Talvez seja porque esta geração mais jovem tenha uma percepção diferente sobre a AIDS. Enquanto o pessoal mais maduro já se conscientizou do perigo, as adolescentes têm a falsa impressão que a AIDS não é tão letal como no passado, antes dos coquetéis de medicamentos.

Nilcéia Freire, Ministra Especial de políticas para as Mulheres, afirma que: “Há uma ilusão que o amor imuniza. No início, a mulher acha importante usar o preservativo, mas depois que começa a viver uma relação estável, ela se sente segura para abandonar. Além disso, tem o medo de não ser aceita, de magoar, de não se achar em relação de igualdade”.

Existe ainda um conceito errado, melhor entendido como preconceito, de que a menina ao portar uma camisinha na bolsa é vista como alguém que busca sexo fácil, e não como alguém que quer se proteger. Um outro motivo que leva a menina a dispensar o uso da camisinha, por imaturidade, pensa que isso colocaria um obstáculo na relação. Ela quer mostrar ao companheiro que gosta dele, mas assim acaba invertendo os valores e gostando menos de si do que de seu parceiro, afirma Eliana Bicudo, médica infectologista.

Uma preocupação que os pais devem ter é de que os jovens estão iniciando a vida sexual mais cedo, segundo especialistas, hoje a internet é um grande fator de iniciação, e muitos jovens começaram a fazer sexo antes dos 15 anos. É importante o diálogo e o esclarecimento. A AIDS mata 11 mil pessoas no Brasil todos os anos.

Leia mais sobre o assunto

Leia "muito mais" sobre o assunto