Notícias de Guaratiba

A propósito da absolvição do padre Marcus Vinicius Antunes Trindade de Pedra de Guaratiba pela Arquidiocese do Rio.

Publicado em 15.01.2010

"Erotismo e religião se mesclavam nos tempos da colônia, época marcada por um frenesi sexual" - Ronaldo Vainfas.

Não é de hoje que os padres católicos deixam de cumprir o voto de castidade. Desde o início do período colonial, os religiosos contribuíram fartamente para o aumento da população, num Brasil em que a carência de habitantes justificava toda aventura sexual.

As transas dos padres seguiam padrões distintos. Entre os mais jovens, havia os que usavam as índias e as negras para "se aliviarem" , como era costume geral, posto que elas nem gente eram consideradas e "só serviam pra isso". Outros terminavam estabelecendo relações estáveis, como o concubinato na casa paroquial com as beatas, bastardas ou solteironas que cuidavam de roupas, limpeza, alimentação e... da cama. Daí vinham filhos e se formavam núcleos familiares informais, que foram muitos.

Outra forma de aproximação sexual ocorria quando os religiosos ingressavam em negócios mundanos - comércio, agropecuária, política - para complementar a minguada (na época) renda proporcionada pela paróquia. Era comum as mulheres vendeiras, negras de tabuleiro, lavadeiras, costureiras e comerciantes de retalho agradarem sexualmente ao patrão como meio de sobreviverem numa sociedade patriarcal e paternalista.

Os padres mais jovens e bonitos eram assediados e disputados pelas poucas mulheres brancas, de boa educação e solteiras, as quais se tornavam suas amantes ou esposas. Esses envolvimentos tornaram-se tão comuns que o Santo Ofício - acredite! - até tentou legitimá-los, mas esbarrou num prosaico problema: havia queixas da desigualdade competitiva entre padres e colonos. Estes não tinham os dentes bons, conversa agradável, educação e apelos celestiais dos clérigos "tudo de bom". A situação era agravada por haver poucas jovens disponíveis.

A Igreja teve problemas sérios com o hábito disseminado entre os padres de aproveitarem a devoção das fiéis para subjugá-las sexualmente. O confessionário, pela sua característica de privacidade, era o lugar mais usado para isso e o abuso de poder eclesiástico no ato de confissão era conhecido como "crime de solicitação". As mulheres cediam por iniciativa própria, por "determinação divina" (cantada) ou por serem ameaçadas pelos padres.

Os assédios podiam ocorrer em qualquer parte ou ocasião, inclusive no leito de morte, como no caso de Luzia de Sousa Vieira: "Casada com um pedreiro na Paraíba, que estando enferma, mandou chamar para confessa-la o franciscano frei Raimundo de Santo Antonio, o qual solicitou-a para atos torpes e imediatamente teve com ela copula carnal no leito" (Mott, Luiz - Cotidiano e Vivência Religiosa, 1977).

A formação de famílias por padres tinha a vantagem de elevar o nível cultural da sociedade, pois a prole dos religiosos recebia educação esmerada no próprio lar. Gilberto Freyre é incisivo ao descrever a importância dos descendentes de religiosos: "elementos da mais elevada cultura, tornaram-se grandes homens da elite dos séculos posteriores, constituindo famílias e ocupando lugar de destaque na sociedade brasileira". Não é exagero afirmar que todas as famílias brasileiras contaram com sêmen eclesiástico em algum momento de sua evolução.

Conhecer a permissividade da Igreja à prática sexual no período colonial pode ajudar a entender porque a instituição, ainda hoje, tem reações pífias ao desregramento sexual de seus representantes. Com a diferença de que há 400 anos as relações, embora proibidas, eram naturais; hoje, predomina tambem a aberração da pedofilia.

Fonte: "Tratos Ilícitos e o Clero Colonial", Profª. Dr.ª Suely Creusa Cordeiro de Almeida e Gian Carlo de Melo Silva - UFRPE.

BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina