Notícias de Guaratiba

Os Flautistas da Marambaia

Publicado em 15.06.2010

Um grupo de aproximadamente 40 alunos e ex-alunos da Escola Vieira fazenda compõem o grupo Flautistas da Marambaia, nele podemos encontrar músicos aprendizes de flauta doce (soprano, contralto, tenor, sopranino, baixo), flauta transversa e agora recentemente clarinetes e saxofones, e apesar do encontro dos flautistas ser realizado na Escola Vieira Fazenda, escola de origem da turma, não contam com nenhum apoio financeiro do Município.

Claudia Ernest Dias foi quem iniciou o projeto dando aulas de flauta doce, depois, Thiago Lima, antigo aluno e hoje já profissional da música, retornou ao projeto, mas dessa vez como instrutor. Thiago passou a tocar flauta no grupo e dar aulas de flauta transversa e flautas doces sem nenhuma remuneração, dessa forma dando continuidade ao projeto.

Há cinco anos Thiago vem dando aulas sem nada receber, mas acredita que a música muda a vida dos adolescentes assim como mudou sua própria vida. Depois que começam a freqüentar a aula de música tem uma melhora no desempenho escolar e conseqüentemente um rendimento melhor, o comportamento muda não só na sala de aula, mas no convívio social e familiar.

"- O projeto é lindo, é maravilhoso e traz muitos benefícios para os alunos. Literalmente mudando suas vidas, mas infelizmente tem um custo e este custo vem crescendo. Nossas necessidades não são supridas por ninguém, muito menos pelo governo. E como o custo é muito grande nós professores não temos como cobrir", desabafa Thiago.

"- Nosso projeto é conhecido nos Estados Unidos, então amigos de lá mandam alguns instrumentos para as crianças, mas mesmo assim eles precisam de manutenção e é muito caro, e não temos um auxilio. Temos professores que saem de laranjeiras só para dar aulas na Marambaia e não recebem nem o dinheiro da passagem", complementa amargurado.

Mas o que observamos é que a força de vontade e a fé inabalável que as coisas vão mudar fazem com que não desistam das crianças. Está dando vida, um futuro, uma esperança já no mercado de trabalho. "-Não queremos dar o peixe e muito menos ensinar a pescar, nós queremos revolucionar a indústria pesqueira", devolve otimista Thiago Lima, professor de música dos Flautistas da Marambaia.

Compartilhe essa notícia