Notícias de Guaratiba

Bom senso aponta para ligação entre linha 4 do metrô e trans-oeste

Texto de Ronaldo Inácio

Publicado em 20.04.2010

Autoridades brasileiras comemoram acordo da linha 4

Foi divulgado há pouco, o trajeto da linha 4 do metrô do Rio ligando a Barra até Gávea. A chamada linha 4 é em verdade extensão da linha 1 que une atualmente a Tijuca até Ipanema e segundo as autoridades, estaria pronta em 2016 para os Jogos Olímpicos. Não se consegue entretanto visualizar em meio a movimentada Av. Armando Lombardi (local da futura estação Barra da Tijuca), um terminal integrado para o transbordo dos passageiros que serão inúmeros na região.

Estes ao saírem do metrô terão necessariamente de se transferir para ônibus, BRT, bicicleta ou mesmo pegar seu carro em um estacionamento, que não existe (não foi projetado). A exceção de Botafogo, nenhuma estação do metrô do Rio possui estacionamento ou simples bicicletário. Os passageiros da linha 2 em suas últimas estações já a algum tempo vem improvisando bicicletários na ausência do poder público.

O local escolhido para a estação Barra, em frente ao Shopping Barrapoint e Edifício Condado de Cascais é cercado de novas e sofisticadas construções. Existe apenas um terreno não muito grande que está vago, localizado à direita da avenida, na direção da Barra para o Recreio. Com a velocidade galopante da especulação imobiliária na região que é a que mais rapidamente cresce na cidade, acredita-se que o tal terreno até o final de 2010 já tenha sido transformado em shopping, condomínio, empreendimento comercial ou área de lazer.

A prática usual do Metrô do Rio e Prefeitura é instalar em meio a calçada das estações inauguradas, uma ou duas coberturas daquelas padronizadas, que não protegem nem do sol e nem da chuva e ali adicionam parada de linhas daquele ônibus que chamam mentirosa e erroneamente de “metrô de superfície”. É notório que para aquele ônibus ser um “metrô de superfície” deveria transitar em canaletas exclusivas, livrando os passageiros do congestionado trânsito das ruas de nossa cidade.

Se houver inteligência e bom senso o projeto da referida estação poderá sofrer as necessárias alterações e quem sabe ser incorporado ao mesmo uma estação de parada do futuro Corredor Trans -oeste de BRT que ligará o Largo da Barra da Tijuca até Santa Cruz. Na área externa das estações metroviárias do Estácio, São Cristóvão e outras, foram no decorrer dos anos também improvisadas paradas de ônibus intituladas de “integração”. Desagradavelmente elas não oferecem nenhum conforto ou praticidade para os passageiros. Em São Cristóvão a parada da “integração” chega mesmo a ocupar uma pista da importante Av. Radial Oeste para “hospedar” cerca de 3 linhas de ônibus que atingem a zona sul, através do Túnel Rebouças. Essas linhas são remanescentes das antigas “ligações expressas Norte-Sul” operadas na época da antiga estatal CTC (Companhia de Transportes Coletivos) quando o consagrado Engenheiro Jayme Lerner foi por um curto período o Secretário de Transportes no RJ.

Para quem não conhece, o Eng. Jayme Lerner foi quem planejou e implantou o sistema de BRT´s em Curitiba, mundialmente famoso por interferir tão positivamente modificando para sempre a vida dos moradores daquela cidade. A antiga ligação norte sul que funcionou há mais de vinte anos passados era composta por ônibus grandes, sem motor interno, com as portas de entrada e saída com largura bem maior do que as atuais e que permitiam o embarque ou desembarque simultâneo de duas pessoas por vez. Os carros partiam para Copacabana, Ipanema e Leblon e as viagens eram mais rápidas porque os carros só paravam em pontos pré-determinados (semi-expressos). Há de se convir que o trânsito na época era bem menor o que permitia a ligação entre São Cristóvão e Ipanema em 15 minutos.