Notícias de Guaratiba

Site demonstra como redes sociais podem favorecer malfeitores.

Publicado em 23.02.2010

Figura: Banner do Site PleaseRobMe. Tradução: Por Favor Roube-me - Relacionando todas as casas vazias neste exato momento. Você pode encontrar os mesmos resultados numa busca no Twitter

Que Orkut, Twitter e demais redes sociais podem nos tornar vulneráveis a assaltantes e malfeitores de todo tipo, isso todo mundo já sabe. Acontece que muitos não acreditam que essas pequenas confidências virtuais possam realmente nos por em perigo. Temos alertado em edições anteriores que as informações disponibilizadas em páginas pessoais podem fornecer dados importantes a malfeitores que as usam no mínimo para passar trotes de seqüestro como já saiu nos noticiários.

Uma senhora viúva, por exemplo, que diga que mora só, ou uma família que se predispõe a passar as férias escolares na casa de praia estão indiretamente disponibilizando uma informação que poderá ser usada por um assaltante de residências. Pois bem, em face desse problema, já conhecido e insistentemente negligenciado pelos internautas, três rapazes holandeses criaram um site com o nome sugestivo de PleaseRobMe ("Por Favor, Roube-Me", traduzido em português). Segundo Boy Van Amstel, um de seus criadores, o site tem por finalidade mostrar os riscos de compartilhar na internet informações precisas sobre localização.

Van Amstel em entrevista à rede BBC descreveu a motivação e os detalhes do trabalho do Grupo:

"O site recolhe dados de participantes do jogo online Foursquare, que é baseado no local exato da pessoa no mundo real, e cruza com informações dos jogadores que colocam detalhes sobre seu paradeiro automaticamente no Twitter."

"Tudo começou com eu e um amigo olhando para os nossos feeds de Twitter e vendo mais e mais mensagens do Foursquare", diz Boy Van Amstel, um dos criadores de PleaseRobMe.

"As pessoas estavam revelando endereços - acho que eles não tinham noção do quanto estavam se expondo", acrescenta.

Van Amstel - um dos criadores do site

Van Amstel, Frank Groeneveld e Barry Borsboom perceberam que as pessoas estavam não só compartilhando informações detalhadas sobre a localização delas e de amigos, mas também deixando claro que estavam fora de suas casas.

Os holandeses contam que precisaram de apenas quatro horas para a criação do site.

"É basicamente uma busca no Twitter, nada novo", diz Van Amstel. "Qualquer pessoa que sabe usar HTML e javascript pode fazer isso. É tão fácil que é quase engraçado."

Ele afirma que o site pode continuar existindo, mas nega que a página tenha sido criada para encorajar crimes.

"O site não é uma ferramenta para roubos", diz o holandês. "O que queremos mostrar é que, não faz muito tempo, era questionável compartilhar o seu nome completo na internet. Agora, já passamos umas mil milhas desse ponto."

Van Amstel argumenta que, na prática, seria "muito difícil" usar a informação obtida no site para praticar um roubo.

A ONG britânica Crimestoppers recomenda que as pessoas pensem cuidadosamente nas informações que desejam compartilhar na internet.

"Pedimos aos usuários de Twitter, Facebook e outras redes sociais que parem e pensem antes de colocar detalhes pessoais online que podem deixá-las vulneráveis a crimes como furto e roubo de identidade", diz um porta-voz da ONG.

"Detalhes colocados online estão disponíveis para o mundo ver. Você não penduraria uma placa na sua porta dizendo que não está em casa, então por que fazer isso online?"

Fonte:

BuscaPé, líder em comparação de preços na América Latina