Notícias de Guaratiba

Rivadávia Manoel Pinto resgatou a história de Guaratiba

Publicado em 26.03.2010

Material cedido por Nilson Pereira Pinto (Sobrinho de Rivadávia)
Historiador Rivadávia Manoel Pinto

Rivadávia Manoel Pinto nasceu em 15 de maio de 1911, seu pai, Deozílio Manoel Pinto, funcionário público e autodidata da música era chamado de “Maestro” e foi o fundador da Sociedade Musical Deozílio Pinto, ainda hoje existente em Pedra de Guaratiba. Sua mãe Maria Pereira Pinto dedicava-se aos trabalhos do lar. Moravam no antigo caminho da Ponta Grossa, hoje Rua Maestro Deozílio.

Aos sete anos ingressou na “Casa Grande”, residência do Sr. Cristovão, nos arredores da Praça Dr.Raul Capello Barroso onde completou seus estudos primários após cinco anos. Findo esse período por força das condições financeiras teve de descontinuar seus estudos.

Apesar da insistência do pai, Rivadavia não possuía dotes para a música e na “tentativa com o trombone foram oito meses de inferno”, na avaliação do pai. Aos quinze anos já pescava como um profissional. Com vinte e um anos completos se apresentou no 2° regimento de Cavalaria Montada, como voluntário, em Santa Cruz dando baixa em 1933. Por influência do Dr. Caldeira de Alvarenga aceitou emprego na Polícia Municipal, em 1935. Nesta época foi residir na rua do Bispo, próximo a Rua Haddock Lobo – Tijuca, aproveitando para dar sequência aos seus estudos secundaristas, tendo como professor Carlos Lacerda que tornou-se, mais tarde, político filiado a antiga UDN (União Democrática Nacional).

Faleceu em 16 de setembro de 1997, vítima de atropelamento na Rodoviária de Campo Grande. Rivadávia Manoel Pinto, faleceu com 87 anos, deixando como legado aos Guaratibanos parte de sua história, de sua origem e contribuiu para o reconhecimento e importância de Guaratiba no cenário estadual.

Foi ao longo de 27 anos com um trabalho de busca quase obsessiva que um simples funcionário público aposentado, nascido e criado nesse torrão de terra, e que tinha como preocupação maior dedicar todo seu tempo em prol da história da cidade, descobriu e metodicamente catalogou todos os acontecimentos históricos de nossa região..

No início de 1970, o professor Dr. Trajano Quinhões, emérito chefe do patrimônio nacional, foi o seu grande mentor, e por cinco anos apoiou e incentivou Rivadávia. Posteriormente, já mais senhor de si, caminhava por conta própria e era a pessoa mais bem informada sobre a história de Guaratiba.

Observador cauteloso, simples e dono de uma invejável memória, Rivadávia Pinto tornou-se a referência maior em Guaratiba. Todos o assediavam. Buscavam com ele informações, conhecimentos e detalhes mapeados em sua memória privilegiada. Conhecia a história de cada rua, desde o início da fundação da cidade como das adjacências da Zona Oeste e do Centro do Rio de Janeiro. Todos os acontecimentos de Guaratiba tinham sempre a presença desse historiador incansável, autodidata, que concluíra o seu 2º grau na fase adulta. Politicamente, Lacerda e Getúlio Vargas foram seus políticos preferidos, ao passo que, na literatura, Humberto de Campos e Castro Alves tinham uma especial predileção. Era muito comum vê-lo recitar de cor trechos desses autores.

A divulgação dos seus conhecimentos foram tomando vulto. Não lhe faltavam convites para palestras, conferências ou exposições. Sua imagem de profundo conhecedor fez com que historiadores, os maiores jornais do Rio, parlamentares, radialistas, escolas, faculdades, institutos, entidades administrativas de núcleos municipais do estado, Petrobras, professores, religiosos, etc, afluíssem a sua residência. Suas pesquisas orientaram até mesmo arqueólogos nas escavações de sambaquis e peças arqueológicas anteriores à descoberta do Brasil, nas sesmarias de Guaratiba e logradores públicos de nomes indígenas.

Naturalmente que nada se poderia concluir dos fatos históricos de Guaratiba se os caminhos da geografia, antropologia, costumes antigos e contemporâneos e arqueologia não fossem perseguidos. Daí porque a riqueza do seu acervo vem despertando tanto interesse daqueles que o conheciam. São documentos de imensurável valor histórico que o Portal Guaratiba teve acesso e estará publicando nas próximas edições.