Notícias de Guaratiba

No século XXI a mulher ainda luta por sua liberdade

8 de março é o Dia Internacional da Mulher

Publicado em 08.03.2011

Redação do Portalguaratiba

Há quase um século atrás, em 1917, trabalhadoras russas fizeram manifestações por "Pão e Paz". A chamada do movimento de protesto indicava que elas protestavam por melhores condições de vida e de trabalho, e corajosamente se lançavam em um movimento pacifista contra a entrada do seu país na Primeira Guerra Mundial. Era 8 de março de 1917 e este dia de 8 de março foi adotado pelas Nações Unidas como Dia Internacional da Mulher, não somente para celebrar as conquistas sociais, políticas e econômicas das mulheres, mas sobretudo para lembrar da luta permanente contra a discriminação e a violência a que muitas mulheres ainda são submetidas em todo mundo.

Assim, este dia deve nos alertar muito mais para a discriminação e violência a que ainda são submetidas as mulheres, do que às conquistas que foram conseguidas a despeito das políticas de exclusão de passado não muito remoto e que de maneira retrógrada ainda permanecem em algumas mentes masculinas. A violência moral e física ainda existe em lares vizinhos aos nossos, perto o suficiente para que tenhamos notícia deste ou daquele incidente entre casais conhecidos. Neste carnaval, quantos homens transtornados pela bebida não surraram suas mulheres? Não é preciso ir muito longe para testemunhar essa covardia. Quantas mulheres se sujeitam por amor, carência ou outro tipo de dependência a essa situação sem denunciar seus agressores. É preciso cada vez mais a conscientização dessas vítimas da desinformação, do medo, da escravidão econômica e social a que estão sujeitas. Muitas não sabem como se libertar ou não tem quem as ajude, quem as oriente. Campanhas permanentes de informação devem prosperar nos diversos meios de comunicação para que as mulheres possam saber se defender. No Brasil, uma pesquisa nacional do Datasenado revela que 66% das brasileiras acham que a violência doméstica e familiar contra as mulheres aumentou; mas, ao mesmo tempo, 60% acreditam que a proteção contra este tipo de agressão melhorou após a criação da Lei Maria da Penha.

"Bibi" Aisha depois da reconstrução facial

No extremo dessas barbaridades contra a mulher, "Bibi" Aisha uma mulher afegã de 19 anos foi mutilada pelo marido sob o regime do Taleban e graças à fundação "Grossman Burn Foundation" dos Estados Unidos, foi operada na Califórnia e recebeu uma prótese no nariz, tendo seu rosto reconstruído. Nos regimes fundamentalistas em alguns países orientais ainda se praticam essas e outras barbaridades contra as mulheres. Não é o Islã que determina essas atrocidades, o Islamismo ou qualquer doutrina ou fé religiosa não estaria orientando bem seus fiéis se assim procedesse, mas são os homens, e sobretudo aqueles com pouco ou nenhum entendimento nas leis divinas, de igualdade e fraternidade, que se outorgam no direito de cometer essas barbaridades contra as mulheres sob o manto da religião.

A excelente matéria sobre mutilação genital feminina (retirada do clitoris) publicada na revista Veja de 10/06/1998, apontou que essa prática vinha sendo realizada em 28 países da África e dois do Oriente Médio. Segundo constatou a revista, um levantamento da ONU naquela ocasião descobriu que 110 milhões de mulheres em todo o mundo tinham sido submetidas ao ritual da mutilação. Pelo mesmo cálculo, cerca de dois milhões de meninas eram mutiladas a cada ano. Em lugares como Somália e Djibuti, a revista afirma que praticamente todas as mulheres são extirpadas. No Egito, calculava-se que pelo menos 55% das mulheres muçulmanas e cristãs coptas teriam sido submetidas à mutilação, época em que o governo proibiu a operação em hospitais públicos e particulares. Na ocasião houve uma chuva de protestos de líderes religiosos mais ortodoxos, sobretudo os fundamentalistas muçulmanos, empenhados em "proteger as mulheres das conseqüências do excessivo desejo sexual". As egípcias, em geral, são submetidas à excisão, ou circuncisão feminina, como é erroneamente chamada a remoção do clitóris e dos pequenos lábios.

Enfim, ainda falta um longo caminho para a libertação da mulher, não só nos países onde essas atrocidades são praticadas, mas aqui em nosso país em que a violência é mais velada, porém não menos perigosa.

Leia mais sobre a violência contra a mulher

Compartilhe essa notícia