Notícias de Guaratiba

Em Barra de Guaratiba, dia de alegria se transforma em tristeza e amargura

Publicado em 20.02.2012

A Estrada que dá acesso à Barra de Guaratiba tem um tráfego perigoso. Neste domingo um grave acidente resultou em duas vítimas. Quem consegue atravessar ileso pelo tráfego pesado de final de semana chega a um bairro que teria tudo para ser um ponto turístico e um local encantador, mas o que encontra deprime e entristece, e quem por obrigação de moradia tem de voltar para casa torce para que chova muito ou que as férias da molecada acabem e o inverno comece logo.

Não adianta mais reclamar, as autoridades do município abandonaram Barra de Guaratiba à própria sorte. Aliás, parece que Barra de Guaratiba não faz parte do Rio de Janeiro. Deve ser muito difícil realmente administrar uma cidade como o Rio, com tantos bairros e características diferentes. Vez ou outra as autoridades se arrependem de ter abandonado uma região ao ver a violência se instalar e o povo literalmente assumir seu destino. Ruas serem construídas dentro de reservas ambientais, morros serem ocupados, maconha ser plantada nas encostas e um amplo programa de fornecimento de drogas florescer.

Aí, os jovens cooptados pelos marginais e traficantes começam a despontar numa terra sem lei. As ruas, praças, e cada canto ser ocupado por camelôs, os carros indisciplinados sobem em cada canteiro, em cada calçada, fazem fila dupla, encostam onde bem entendem, estacionam na frente dos portões e os moradores que se danem.

Nossa leitora Sonia Cristina filmou o domingo de carnaval

Os serviços públicos oferecidos à população são de péssima qualidade, aliás, não têm qualidade alguma. Equipamento urbano não existe, não existem praças, locais em que nossos jovens possam desfrutar de um mínimo apoio esportivo em suas vidas vazias. Durante a noite, a escuridão toma conta das ruas e polícia é coisa que pouco se vê. Ordem urbana não existe, a praia é literalmente assaltada nos feriados e finais de semana, durante a semana como ovos de tartaruga, as barracas e amontoados de mesas cobertas com lonas multicores emporcalham as escadas que dão acesso á praia, para procriarem ao primeiro sol ocupando a areia.

A água escassa corre por debaixo da terra escondida e distribuída aos compadres pelos manobristas da CEDAE. "Que horas passa a água? Passou? Perdeu... Foi de madrugada, entrou de duas às quatro horas da manhã...Não ligou a bomba? Dançou...Só na semana que vem..." Esse é o diálogo do "barreiro" que há anos desafia o bom senso e permanece morando em Barra de Guaratiba. Mas muitos "jogaram a toalha", se mudaram. Hoje moram no Recreio, na Pedra de Guaratiba, na Ilha de Guaratiba, e comentam que na Barra de Guaratiba nunca mais, isso é terra de doido.

Como aguentar tanta bagunça? Tanto descaso? Essa semana o quartel não deixou os técnicos da Oi entrarem para concertar os telefones e centenas de pessoas ficaram sem telefone no carnaval. Isso só acontece em Barra de Guaratiba.

Transporte urbano no Bairro, servido pela Jabour, é o que há de pior no Rio de Janeiro. Em dias de sol quando filas gigantescas de banhistas esperam pelo ônibus a empresa favorece apenas cinco moradores de cada vez, ou seja, em cada carro o fiscal só deixa que cinco moradores do bairro entrem no ônibus antes daquela turma de banhistas. E o ônibus que vai para o centro levando os trabalhadores? Este é uma vergonha. Três carros servem a linha como se os moradores de Barra de Guaratiba só tivessem necessidade de ir para Campo Grande. A Secretaria de Transportes Urbanos do município ainda não se sensibilizou com os apelos da população, e nem vai se sensibilizar, afinal são poucos votos nas eleições e mesmo assim divididos entre vários candidatos. Sempre que temos eleições municipais aparecem vários cabos eleitorais no bairro, cada um puxando para um lado, cada um vendo seu interesse, não tem ninguém que defenda a comunidade.

Só podemos pedir socorro ao nosso prefeito, e que ele um dia olhe também por Barra de Guaratiba, coisa que ele prometeu quando aqui esteve e não cumpriu.

Compartilhe essa matéria